A primeira partida da final da Suburbana 2014, realizada no último sábado (6), foi digna de muito equilíbrio entre Nova Orleans e Operário Pilarzinho, no Estádio José Drula Sobrinho. Mesmo assim, o Operário Pilarzinho, frio e centrado, conseguiu se sair bem nos primeiros 90 minutos e está a um empate do título do certame.

Depois da classificação de Nova Orleans e Operário Pilarzinho, o embate da final foi desejado por quase todos, se não a maioria, amantes do futebol amador de Curitiba. Fato que explica esta façanha é devido a surpresa, ou não, das eliminações dos times favoritos na final. Caso das agremiações de Santa Quitéria e Iguaçu, que caíram na semi. Passado os momentos de alegria, a semana foi de intenso trabalho para jogadores de ambas as equipes. O time alviverde, da zona oeste de Curitiba, lutará para faturar pela segunda vez o título da Suburbana. Já o time do Pilarzinho, brigará com unhas e dentes para a conquista inédita.

Com todos esses ingredientes, o futebol fica mais rico e saboroso, independente de divisão. Dito e feito, com um bom público no Estádio José Drula Sobrinho, o embate iniciou com festa. Digno de uma final de campeonato, com vários jornalistas em busca de um click e a entrevista perfeita na final da Suburbana 2014.

foto2Com a bola rolando, a equipe da casa iniciou o embate com mais gás. Disposta a sair na frente, o time do Nova Orleans avançou o time nos primeiros minutos. Por isso, a primeira oportunidade do jogo aconteceu, com jogada iniciada pelo atacante Éder que foi parada com falta. Na cobrança, um dos destaques do certame (Juliano), acertou um forte chute. Mas, o outro destaque do campeonato, Jura, defendeu e espalmou pra longe o perigo, em 9′ da etapa inicial. Lance que acordou a equipe visitante, que na sequência, em bola parada, causou preocupação no sistema defensivo. Pois Patrick desviou o cruzamento de Bitoca e acertou o travessão do goleiro Rogério.

Perigo que não foi o suficiente para concertar o sistema defensivo, em relação a bola área. Minutos depois, aos 18′ o time do Operário Pilarzinho aproveitou a falha entre os zagueiros do Nova Orleans e encontrou uma brecha para abrir o placar com Erlon, com um lindo gol de voleio. Não deu outra, com o gol a torcida Camisa 12 inflamou ainda mais seus jogadores, na tarde ensolarada de sábado de novembro. O gol do time visitante até que acordou o UNO, mas com o desfalque de Geovani o time não encontrou a criação ideal para furar o sistema defensivo do Tricolor. Devido a isso, vários chutes de longa distâncias foram efetuados. Destaque para Jura, que foi impecável e seguro para manter o placar a favor da sua equipe.

Até os 30′, o embate pareceu tranquilo. Mas nos minutos finais da primeira etapa o árbitro Lucas Torezin entrou em cena, já que várias faltas ocorreram neste período da partida. Com isso, alguns cartões amarelos foram aplicados para jogadores de ambas as equipes. Dentre as faltas, a que chegou próximo do gol foi do time da casa, em que Tonton acertou um belo chute, mas Jura, inspirado, espalmou para escanteio.

foto3Enquanto a partida percorria para o final do primeiro tempo com tranquilidade, o time da casa ainda tentou pressionar. Mas aos 46′, ocorreu uma dividida entre o atacante Igor do UNO e o zagueiro do Pilarzinho. Lance que gerou muita reclamação e discussão de ambos os times. Lucas Torezin não quis saber de nada disso e encerrou a primeira etapa aos 47′.

Segundo tempo –Na volta para segundo tempo, ambas os treinadores mantiveram os mesmo escalões que encerram a etapa anterior. Porém, a disposição do time da casa foi maior e melhor do que na etapa anterior. Aos 5′, novamente uma dividida forte e preocupante para todos que estavam presentes no Estádio. O atacante Éder do UNO e o goleiro Jura do Pilarzinho chocaram-se feio e ficaram desacordados por alguns minutos. Com isso, até a ambulância foi acionada, mas o futebol falou mais alto e os dois atletas retornaram a campo e o jogo reiniciou depois de 10′.

Após o choque, ambas as equipes fizeram alterações de jogadores. Éder e Jura saíram? Que nada, os dois continuaram firmes e fortes. A bola da vez a sair na equipe do UNO foi o capitão Alex, que além do lugar deu a braçadeira para Paulinho Alves. No time visitante, saiu Patrick e entrou Erick. O troca-troca do Nova Orleans foi o que deu resultado mais rápido. Paulinho deu mais mobilidade no meio de campo, mas o último toque da equipe alviverde não estava agradando a torcida e ao treinador Oliveira. Por isso, vários chutes de fora área. O camisa 17 foi o que mais finalizou, mas apenas uma causou perigo ao goleiro do Pilarzinho Jura.

Devido a isso, o comandante Oliveira persistiu em arrumar o sistema ofensivo e fez mais duas substituições na equipe alviverde. A vontade de empatar foi nítida na equipe do Nova Orleans, mas os chutes não foram o suficiente para passar da linha do gol. A essa altura, o volume de jogo passou a ser todo do time da casa. Porém, com o time do UNO no ataque, os contra ataques foram os principais ações ofensivas do Pilarzinho, mas sem forças para aumentar o placar no Estádio José Drula Sobrinho.

Nos minutos finais, a pressão do UNO ainda esteve presente. Em jogada pela direita, com Juliano e Victor, a bola sobrou para o lateral Buiu que entrou na área e chutou de bico e Cascão da uma casquinha e faz com que toque levemente na trave, para fúria da torcida da casa e de Buiú. Minutos depois foi Paulinho, que dominou e na hora do chute foi travado pelo zagueiro do Pilarzinho, que depois comemorou como um gol, já que o chute tinha endereço certo. Após esse lance, o árbitro Lucas Torazin decretou o final da partida, em 1 a 0 Pilarzinho diante o Nova Orleans.

Fonte – site www.doricoaopobre.com.br – Por Rafael Buiar

Assista ao vídeo de alguns lances da partida: